quarta-feira, 22 de julho de 2015

ARTILHARIA: SCHNEIDER 75mm


A Schneider, Fréres & Cie. foi uma indústria metalúrgica francesa, que produziu armamentos e locomotivas. Entre os produtos que a destacaram relaciona-se o canhão Schneider-Canet de 75mm, em aço, de tubo estriado com carregamento pela culatra, sistema de amortecimento de recuo composto por freio hidráulico (com efeitos amortecedor e recuperador, recolocando a peça em posição de tiro após o disparo). Essas inovações, na passagem do século XIX para o século XX, permitiam o chamado "tiro rápido" - de 10 a 20 disparos por minuto - em contraste com a antiga artilharia de reparo fixo, que permitia apenas um disparo a cada 10 minutos.



Em campo de batalha, uma bateria Schneider-Canet 75 era composta por quatro peças e igual número de carros de munição, mais um carro de apoio à bateria (com ferramentas) e um carro-forja, com a função de assegurar a manutenção das peças em campanha e os reparos nos carros de tração e de serviço. A bateria era operada por um efetivo de 3 oficiais, 10 sargentos, 121 praças, demandando 39 cavalos e 96 muares para a tração das peças e do pessoal.


Em 1923 o Exército Brasileiro comprou alguns lotes do modelo Schneider 1919 75mm. 



Estojo Schneider 75mm


Os três estágios
Cabeça: . Era feita de aço; apenas em alguns padrões de Schneider os estilhaços tinham a cabeça feita de alumínio, a fim de torná-lo mais leve. Era rosqueada na extremidade do corpo e no interior do corpo havia uma espoleta enroscada na mesma. Na sua parte inferior havia um orifício onde a parte superior do tubo central era fixo.


Corpo: . Feito de aço. Sua base continha a câmara de rebentamento, o que foi separado do resto do corpo oco pelo diafragma. O interior da parte superior do corpo era rosqueada para aparafusar na cabeça. A seção transversal do corpo é ligeiramente menor do que o diâmetro interior do cano da arma, exceto em dois locais: a parte superior do cilindro "casco" e a banda de rotação. A banda superior era conhecido como um bourrelet. A banda de condução foi feito de cobre e foi pressionada para dentro de uma ranhura fresada perto da base. Eles forneceram uma tolerância muito estreita entre o projétil e o casco. Sendo maior do que o próprio corpo a banda de condução era comprimida pelos sulcos rifling, rodando o projétil, mantendo-o em linha reta durante o vôo.






Estilhaços: . As esferas eram feitas de chumbo endurecido e preenchiam o espaço entre o diafragma e  a cabeça. Eles pesavam cerca de 10 g e tinham de 12 a 13 mm de diâmetro. O estilhaços Schneider continham cerca de 310 balas. O espaço entre as balas era preenchido com uma mistura de produção de fumaça chamado colophan. Além disso, em Schneider estilhaços uma taxa de produção de fumaça de 50 g de pó preto grosso foi vertida em entre as balas de fundo, a fim de aumentar a fumaça quando o estouro da metralha.



MAIORES INFORMAÇÕES

Nesta terça-feira, o Museu Municipal Histórico e Pedagógico "Comendador Virgolino de Oliveira" recebeu, por intermédio do Núcleo MMDC de Itapira "Cel. Francisco Vieira", a doação de um estojo Schneider 75mm. O simpático casal Aparecida Rossi Frassetto e Antônio Silva, confiando no trabalho que o Núcleo MMDC de Itapira vem exercendo nos últimos anos, confiaram a nós a entrega deste material para ser preservado. Em contato com o secretário de cultura Marcelo Iamarino, visitamos o simpático casal e entregamos o material ao Museu Municipal Histórico e Pedagógico "Comendador Virgolino de Oliveira". A peça já foi incorporada ao acervo referente à Revolução Constitucionalista de 1932! Obrigado dona Cida Rossi pela confiança e pela simpatia!!!

O casal Cida Rossi e Antônio Silva no momento da doação do estojo Schneider 75mm



Detalhe
Analisando as inscrições no Schneider 75mm
 SE VOCÊ POSSUI MAIORES INFORMAÇÕES SOBRE O CANHÃO SCHNEIDER 75mm POR FAVOR, ENTRE EM CONTATO!



PARTICIPE! COMENTE! DIVULGUE!

Eric Lucian Apolinário

Pesquisador - Presidente
(19) 98102-7351
Núcleo MMDC de Itapira "Cel. Francisco Vieira'


Nenhum comentário:

Postar um comentário