segunda-feira, 15 de julho de 2013

QUARTEL GENERAL DO M.M.D.C. - BOLETIM

"... Um documento enquanto fonte, deve ser compartilhado, deve estar à disposição dos pesquisadores, para ser um espelho do passado, refletindo luz sobre o presente..." |Eric Apolinário.

Para continuar nossas comemorações destes 81 anos da Revolução Constitucionalista de 1932, o Núcleo M.M.D.C. de Itapira "Cel. Francisco Vieira", traz até você, nosso leitor e amigo, a primeira parte de um grande e importantíssimo lote de documentos. Desde o dia 9 de Julho de 1932, o MMDC, em seu Q.G., na capital paulista, organizava e distribuía para as frentes de batalha, seu "Boletim Geral", assim como os batalhões do Exército e da Força Pública o faziam. Neste documento, eram repassadas aos oficiais em campo, informações que iam desde o repasse de alimentação dos soldados, até transferência de oficiais, tropas, quantias recebidas de doações da "Campanha do Ouro", como também do dinheiro destinado às famílias mais pobres dos voluntários que se encontravam entrincheirados.
Para fomentar a pesquisa, e unir ainda mais os interessados em pesquisar esta história tão importante para todos nós, é que hoje, compartilhamos aqui, o link da primeira parte deste lote. Totalmente digitalizado, poderá agora, servir de norte para as pesquisas dos nossos Núcleos Irmãos, assim também como membros da Sociedade Veteranos de 1932 - M.M.D.C., acadêmicos, memorialistas e demais interessados. É com imenso orgulho, respeito e consideração, que, disponibilizamos estes documentos. 
Em troca, esperamos apenas que esta fonte, assim como todas as outras encontradas neste blog, possam ser úteis em suas pesquisas, e que assim, a história ainda tão pouco difundida de 32, possa continuar a se espalhar não apenas em São Paulo, mas também por todo este Brasil!

Boa Pesquisa! 

| LINK PARA DOWNLOAD:  http://www.4shared.com/rar/AMrNlXiB/PDF_MMDC_LOTE1.html?
Favor deixarem seus COMENTÁRIOS abaixo!




sexta-feira, 12 de julho de 2013

DE VOLTA AO "MORRO DO GRAVI", 81 ANOS DEPOIS.

Apresentamos hoje, um video histórico! O combatente José Mango, que esteve na última resistência da principal zona de combate do Setor Leste, o "Morro do Gravi", volta ao local, exatamente 81 anos depois. Neste video, ficaram gravadas suas impressões e emoções desta manha extremamente agradável que passamos em Itapira!
Pedimos ao nossos leitores e irmãos M.M.D.C. que compartilhem este episódio histórico para nossa Sociedade Veteranos de 1932-M.M.D.C.




Natural da cidade paulista de Altinópolis, José Mango se alistou como voluntário na Revolução Constitucionalista aos 19 anos de idade. Na capital paulista, se uniu ao famoso 4º Batalhão do R.I. "9 de Julho", sendo enviado a Campinas, onde aguardou ordens de seguir para a batalha. Chegou a Mogi Mirim desarmado e praticamente sem nenhum treinamento, sendo enviado com urgência para a região do "Morro do Gravi" (situado na divisa entre Itapira e Mogi Mirim), onde as tropas paulistas que recuaram de Eleutério cavaram trincheiras rasas. Ali, unindo-se ao 6º R.I. (Exército), Força Pública, e outros batalhões de voluntários paulistas, resistiu ainda por cerca de 72 horas à grande investida dos mais de 10 mil homens do Exército Federal, comandados por Eurico Gaspar Dutra. Mango e seus companheiros de luta, foram atacados pela esquerda (na região dos atuais bairros da Santa Fé, Santa Marta e Della Rocha) pelos batalhões provisórios que vinham da Bahia, Ceará, Sergipe, Rio Grande do Norte, Alagoas e o famoso 14º batalhão do Rio Grande do Sul, comandado por Benjamin Vargas, irmão de Getúlio Vargas.
Após o término dos confrontos, quando retornou ao Q.G., Mango, à procura de seus companheiros, encontrou apenas 1/3 dos jovens voluntários que partiram com ele para o fronte de batalha.


segunda-feira, 8 de julho de 2013

9 DE JULHO / 81 ANOS DA REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA DE 1932

Tenente Cruz, Tenente Coronel João Dias de Campos, Major Santino, Cel. Herculano Carvalho e Silva, Cel. Francisco Vieira e outras oficialidades paulistas em Itapira - Agosto de 1932
Nove de Julho é a luz da Pátria
Data imortal deste berço augusto
Os bandeirantes denodados
Deste São Paulo vanguardeiro e justo
Nove de Julho é a glória do Brasil
Cantado por São Paulo
Sob um lindo céu de anil
Nove de Julho é a luz da Pátria
Data imortal deste berço augusto
Os bandeirantes denodados
Deste São Paulo vanguardeiro e justo
Nove de Julho heróica é bela data
Marco inicial da jornada democrata
Piratininga terra do trabalho
Onde são reis, a enxada e o malho
Seu povo altivo vai espalhando
Amor pela Pátria e vai cantando
Solo querido, terra amorosa
Pátria de bravos, sempre formosa
Estação de Barão Ataliba Nogueira (Itapira´SP). Capitão Pietscher, de lenço branco no pescoço, atrás do Cel. Francisco Vieira, tendo ao seu lado esquerdo o "barbudo" Dr. Paulo Barros e Dr. Pirajá. Batalhão "Paes Leme".

sexta-feira, 5 de julho de 2013

CÂMARA MUNICIPAL DE ITAPIRA HOMENAGEIA JOSÉ MANGO

A Câmara de Vereadores de Itapira realiza na próxima terça-feira, feriado de 9 de Julho, uma sessão solene para outorga do título de cidadania itapirense ao soldado veterano da Revolução Constitucionalista de 1932, o Sr. José Mango. A solenidade será realizada na sede do Poder Legislativo, a partir das 11h00.
Mango receberá a honraria pelos inestimáveis e relevantes serviços prestados à coletividade itapirense e paulista. Trata-se da última testemunha viva da “Batalha do Graví”, confronto entre as tropas federalistas e constituintes em solo itapirense.


Para que o homenageado recebesse o título, os vereadores aprovaram por unanimidade o decreto que concediam a honraria, de autoria de todos os senhores vereadores.



Natural da cidade paulista de Altinópolis, José Mango se alistou como voluntário aos 19 anos. Na capital paulista, se uniu ao famoso Batalhão "9 de Julho", sendo enviado a Campinas, onde aguardou ordens de seguir para a batalha. Chegou a Mogi Mirim desarmado e sem nenhum treinamento, sendo enviado com urgência para a região do "Morro do Gravi", onde as tropas paulistas que recuaram de Eleutério cavaram trincheiras rasas. Ali, unindo-se ao 6º R.I. (Exército), Força Pública, e outros batalhões de voluntários, resistiu ainda por cerca de 72 horas à grande investida dos mais de 10 mil homens do exército federal. Mango e seus companheiros de luta, foram atacados pela esquerda (na região dos atuais bairros da Santa Fé, Santa Marta e Della Rocha) pelos batalhões provisórios que vinham da Bahia, Ceará, Sergipe, Rio Grande do Norte, Alagoas e o famoso 14º batalhão do Rio Grande do Sul, comandado por Benjamin Vargas, irmão de Getúlio Vargas.
Após o término dos confrontos, quando retornaram a Campinas, no pátio do Colégio Culto a Ciência, de um batalhão de 490 homens, restaram apenas 112.



segunda-feira, 1 de julho de 2013

DIOGO OLIVER |VOLUNTÁRIO ITAPIRENSE MORTO EM COMBATE|

Diogo Oliver nasceu em Itapira a 12 de novembro de 1911, filho de Florêncio Oliver e Eustachia Fernandes, irmão de Agostinha e Antônio Oliver. Era solteiro e trabalhava como comerciante. Em 1932 fazia o serviço militar, para qual fora sorteado. Era cabo do III Batalhão do 5º R.I. Combateu no famoso setor do "Túnel da Mantiqueira": As cidades de Piquete, Lavrinhas, Guaratinguetá, Resende, Queluz, Cruzeiro, Vila Queimada foram alguns locais em que as tropas se fixaram. Da mesma forma nos picos de Itaguaré, Cristal, Gomeira e Gomeirinha situados no entorno do túnel. Segundo relatos historiográficos os conflitos ocorridos naquela região foram os mais longos e violentos, tornando as imagens relativas a essa frente de batalha umas das mais representativas da Revolução Constitucionalista de 1932.
Foi no famoso "Túnel da Mantiqueira" que Diogo Oliver caiu, atingido no peito pelas balas inimigas em 27 de julho depois de 15 dias de luta, seu corpo repousa no local de tantos combates heroicos no alto da Serra da Mantiqueira.


|SE VOCÊ É FAMILIAR, OU CONHECE FAMILIARES DESTE VOLUNTÁRIO, POR FAVOR, ENTRE EM CONTATO CONOSCO. PROCURAMOS POR FOTOGRAFIAS E QUAISQUER TIPOS DE DOCUMENTOS REFERENTES AO VOLUNTÁRIO ITAPIRENSE "ROSALINO SILVA". ESTA SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A PESQUISA E HISTÓRIA DA REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA DE 1932 É DE EXTREMA IMPORTÂNCIA|