segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

BOAS FESTAS!

Aos nossos amigos e leitores:


Núcleo Cel. Francisco Vieira agradece a todos que acompanharam o blog em 2012 e convida a todos para que em 2013, continuem acompanhando nossas pesquisas e nossas postagens. As comemorações do Jubileu de Carvalho, 80 anos da Revolução Constitucionalista de 1932 tomaram conta de todo o Estado de São Paulo! Cada cidade fez a sua parte, cada Núcleo também! A Sociedade Veteranos de 1932-MMDC cresce a cada dia mais. Esperamos conseguir apoiá-la como sempre fizemos no próximo ano de 2013! Vamos juntos, rumo aos 81 anos da Revolução Constitucionalista de 1932. Voltamos com as postagens no blog nos primeiros dias de janeiro de 2013 com novidades e materiais inéditos.

Feliz Natal! Um Próspero Ano Novo!
POR SÃO PAULO E PELO BRASIL!

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

BONUS PRÓ-CONSTITUIÇÃO - Tesouro do Estado de São Paulo

Durante a Revolução, o Tesouro do Estado de São Paulo imprimiu centenas de novas cédulas, com motivos paulistas, para que circulassem dentro do Estado. Elas foram impressas pela Companhia Melhoramentos de São Paulo. Devido ao pouco tempo, (apenas três meses) apenas duas estampas foram feitas, mesmo assim, há uma grande quantidade de diferentes cédulas e bônus. No meio Numismático, são cédulas de alto valor, muito colecionáveis. Além disso, são provas vivas, de todo o ardor e empenho com que o povo paulista se voltou para a causa Constitucionalista. A Ditadura, como forma de desvalorizar o dinheiro paulista, imprimiu centenas de cédulas falsas, que ainda hoje também podem ser encontradas com colecionadores, antiquários, museus e coleções particulares.
Trazemos hoje, alguns exemplares de diferente estampas do dinheiro paulista:

"Thesouro do Estado de S.Paulo - Brazil", "Pró-Constituição"
Valor de 5 mil reis - Série 1ª, Estampa 2ª, Domingos Jorge Velho. 

 "Thesouro do Estado de S. Paulo - Brazil", "Pró-Constituição"
Valor de 10 mil réis – Série 1ª, Estampa 2ª, Domingos Jorge Velho.

"Thesouro do Estado de S. Paulo - Brazil", "Pró-Constituição"
Valor de 20 mil reis – Série 1ª, Estampa 2ª, Domingos Jorge Velho.

"Thesouro do Estado de S. Paulo - Brazil", "Pró-Constituição"
Valor de 20 mil reis – Série 1ª, Estampa 2ª, Domingos Jorge Velho.

"Thesouro do Estado de S.Paulo - Brazil", "Pró-Constituição"
Valor de 100 mil reis – Série 1ª, Estampa 2ª, Fernão Dias Paes Leme.



quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

CARTA DO CAPITÃO-MÉDICO JUSCELINO KUBITSCHEK DE OLIVEIRA


Quando se ouve o nome "Juscelino Kubitschek", logo se pensa em "Brasília" e "Presidência da República". Mas um fato no mínimo curioso e interessante, muitas vezes despercebido. Antes de se tornar um grande Presidente do Brasil, ou até mesmo pensar em transferir a capital nacional para o interior do país, o jovem Juscelino Kubitschek de Oliveira, após se formar na Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais e retornar de uma viagem pitoresca à Europa, foi convocado para a Força Pública. Em 1932, através de um convite de Gustavo Capanema, que na época era secretário do interior e como tal, comandante da polícia, Juscelino ingressa no corpo médico da Força Pública de Minas Gerais, hoje Polícia Militar, juntamente com vários outros médicos e professores de medicina do Estado.


Durante a Revolução Constitucionalista, Juscelino é imediatamente convocado para o corpo médico que atuaria no “front”. Nas batalhas, Juscelino exerceu sua medicina atuando na cidade de Passa Quatro que ficava no setor do Túnel da Mantiqueira. Nas trincheiras, tornou-se amigo de personagens que futuramente iriam exercer cargos políticos da maior importância, como Eurico Gaspar Dutra, na época coronel, que mais tarde viria a ser Ministro da Guerra e posteriormente, Presidente da República. Conheceu também Benedito Valadares, que havia sido nomeado delegado de polícia da região do Túnel e mais tarde seria nomeado por Getúlio Vargas interventor em Minas Gerais.

Soldados Federalistas

Neste "post", o Núcleo Cel. Francisco Vieira, traz aos seus leitores, uma carta publicada no jornal "Minas Geraes", intitulada: "Como luta o soldado mineiro na zona do Túnel". Quem assina a carta, é o então capitão-médico da Força Pública do Estado de Minas Gerais, sr. Juscelino Kubitschek de Oliveira. Nela, o jovem médico fala sobre as montanhas da divisa entre São Paulo e Minas, das dificuldades de locomoção, e permanência nas trincheiras:

"... É uma verdadeira epopéa o que estão fazendo. As trincheiras situadas a 1.800 metros de altura, sob uma temperatura siberiana, envoltas sempre num espesso nevoeiro, que impede a visão a cinco metros, pela manhã e pela tarde e que só deixam aquecer um pouco do meio dia às 3, repousam num terreno encharcado e humido. De qualquer dellas avistam-se com clareza as trincheiras inimigas e, com auxilio de binóculo, vêem-se perfeitamente os paulistas a conversar lá dentro. (...) O abastecimento é feito de uma maneira dificílima, as costas dos pobres soldados, que sobem por verdadeiras paredes. Em muitos lugares foi necessário fazer escadinhas para que se pudesse galgar as rampas. O transporte dos feridos, mais difícil ainda, é feito nos braços dos companheiros, porque nem padiola trafêga nos ingremes e tortuosos trilhos, varados através de espessos tabocal, cheio de cipó. E, si os paulistas, inclementes como sempre, percebem rajadas sobre rajadas de metralhadoras, ainda mais dificultam o transporte ..."

capitão-médico Juscelino Kubitschek de Oliveira de braços cruzados. Único sem boné branco.

Infelizmente, não conseguimos fotografias do período em que JK
serviu como capitão-médico em alta resolução.

FONTES: Memorial JK, Jornal Minas Geraes, Arquivos do Núcleo Cel. Francisco Vieira-MMDC de Itapira.

domingo, 16 de dezembro de 2012

O CORPO MÉDICO (PARTE I)

Durante as batalhas na linha de frente em Eleutério, uma equipe de médicos e enfermeiros foi formada para compor o "Hospital de Sangue", situado à rua João de Moraes. Ali, residência do Dr. Hortêncio Pereira da Silva, bravo combatente da Revolução, que, mesmo não pegando em armas, foi um dos maiores responsáveis pelo funcionamento do "teatro de guerra" na cidade de Itapira durante os combates. Além de ser o diretor clínico da Santa Casa de Misericórdia, também montou em sua residência, o "Hospital de Sangue", responsável por atender os soldados feridos. Contando com ambulâncias e com os mais modernos equipamentos e técnicas para a época, atendeu dezenas de voluntários feridos, desde pequenos curativos até sérias cirurgias. Juntamente com os médicos Itapirenses, atuaram enfermeiros voluntários e senhoras da sociedade. Destaque especial para a grande participação das "Irmãs Missionárias do Coração de Jesus Crucificado". Abaixo, uma rara fotografia de grande parte da equipe do "Hospital de Sangue". Infelizmente ainda não conseguimos identificar todos os presentes na fotografia:

 
1ª Fila (Esquerda para a direita):
Irmã Angélica, Irmã Agostinha, Madre Francisca (?), Dr. Octacílio Gualberto (São Paulo)

2ª Fila (Esquerda para a direita):

Dr. Hortêncio Pereira Da Silva, Dr. Névio Bicudo, Dr. (?), Soldado Pontes Bueno

3ª Fila (Esquerda para a direita):

Enfermeiro Albertino Lopes, Dr. João Pereira Da Cunha, Dr. (?), Dr. (?), Aristides Marchioretto (Farmacêutico).


A Casa do Soldado, o Hospital de Sangue e a Santa Casa tiveram um papel fundamental em todo o processo do Movimento Constitucionalista de 1932. Abaixo, o trecho de uma carta escrita pelo repórter Leonardo Gomes, enviado especial dos "Diários Associados" e diretor do "A Notícia", da cidade de Rio Preto que esteve por muitos dias, junto ao Batalhão 9 de Julho" enviada no dia 9 de agosto de 1932:

A "Casa de Saúde Cel. Adolpho Cintra", que dispõe de duas espaçosas enfermarias gerais, vários e bem instalados quartos particulares, sala de operações, gabinetes para curativos, laboratório de analises e acepsia, além de todas as outras dependências necessárias a estabelecimentos desta natureza, foi pelo seu diretor, Dr. Hortêncio, posta à disposição das tropas constitucionalistas, que operam neste setor, para nela serem tratados com o carinho que é peculiar aos itapirenses, os raros gripados como eu. Porque por aqui, terra de um clima adorável, a doença mais séria é a gripe. Quase não aparecem outras.
   Com o Dr. Hortêncio Pereira da Silva, que também é o diretor dos serviços clínico-cirúrgicos da Santa Casa, outro estabelecimento modelar que vem prestando a melhor colaboração nesta cruzada, trabalham as exmas. senhoras D. Dalila Pereira da Silva e Josefina Galdi Pereira; as gentis senhoritas Maria Galdi e Alcide Raposo; os Srs. Drs. Otacílio Gualberto e Mário Canto Barros; acadêmicos Mário Fonseca Pares e Hélio Nunes; enfermeiros Valdemar Ehmur e José Ferreira Alves. Na Santa Casa, administrada pelas irmãs do Sagrado Coração de Jesus, tem o Dr. Hortêncio como auxiliares dedicados o Sr. Luiz Pontes Bueno, o enfermeiro Albertino Lopes e o farmacêutico Aristides Marchioretto.
   E, assim, como Itapira, A Linda, vem o Dr. Hortêncio Pereira da Silva, com as suas magníficas organizações hospitalares, colaborando, eficientemente, para o êxito da boa causa".


PARTICIPE! COMENTE! DIVULGUE!

Eric Lucian Apolinário

Pesquisador - Presidente
(19) 98102-7351
Núcleo MMDC de Itapira "Cel. Francisco Vieira'



 

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

FOTOGRAFIAS INÉDITAS

Dentre as dezenas de batalhões de voluntários e da Força Pública que vieram de todo o Estado de São Paulo e lutaram nas trincheiras de Eleutério durante a Revolução Constitucionalista de 1932, apresentamos hoje, algumas fotografias inéditas de voluntários da cidade de São José do Rio Pardo. 


Um grande número dos voluntários riopardenses, partiram para as trincheiras integradas ao 1o Batalhão Paulista da Milícia Civil Paulista, mais conhecido como "A Coluna Romão Gomes".  O batalhão teve seu "batismo de fogo" na cidade mineira de Guaxupé, combatendo depois em Pouso Alegre. 


Na quinta-feira, dia 28 de julho, o batalhão chegou na cidade de Mogi Mirim, onde ficaram por algumas horas aguardando ordens. No início da noite, chegaram a Itapira, por volta das 23h00. Ficaram alojados no prédio do "Grupo Escolar Júlio Mesquita", que até hoje recebe alunos da rede Estadual. 


Em Itapira, o batalhão permaneceu por alguns dias, ainda sem partirem para a frente de batalha, alguns aproveitaram para conhecer a cidade, outros, para ir até Águas de Lindóia, conhecer suas fontes de água. 


Nesta primeira permanência em Itapira, parte do batalhão não seguiu para Eleutério, sendo enviado no dia 2 de agosto para a cidade de São João da Boa Vista, outra parte ficou e lutou nas trincheiras. Apenas algumas semanas depois, todo o destacamento voltaria para Itapira, para atuar na frente de Eleutério.


segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

ENTREGA DO COLAR DA VITÓRIA

   Ocorreu na sexta-feira, 07 de dezembro, na sede da Sociedade Veteranos de 1932-MMDC, mais um evento em comemoração aos 80 anos do Movimento Constitucionalista. Nesta cerimônia, foi entregue o Colar da Vitória, uma comenda criada em 2012 justamente em honra aos 80 anos da Revolução Constitucionalista, e também, para lembrar a vitória de São Paulo, não nas armas, mas moralmente. O Colar da Vitória é usado pela Confraria do Colar da Vitória em diversos eventos da Sociedade Veteranos de 1932-MMDC. 
   Antes da entrega, houve um agradável almoço na Associação dos Oficiais Militares do Estado de São Paulo – AOMESP. O presidente do Núcleo Cel. Francisco Vieira-MMDC de Itapira, o historiador Eric Lucian Apolinário, recebeu a comenda, juntamente com diversos oficiais da  Marinha e Polícia Militar. Entre os presentes, estava o Cel. Mário Ventura, presidente da Sociedade Veteranos de 1932-MMDC, deputado estadual Major PM Sérgio Olímpio Gomes, Major PM Walter, Tenente PM Natanael, presidente do Núcleo MMDC-Leste, PM Lima, a Dra. Maria Lucia, o professor José Carlos de Barros Lima, Dr. Rodrigo Varotti, Dr. Mariano Taglianetti,  Dr. Romagnoli, Janaina Exposito, PM Araújo, entre tantos outros amigos do MMDC. Um grande abraço e um muito obrigado a todos!

LISTA COMPLETA DE CONDECORADOS:

Deputado Estadual    SÉRGIO OLIMPIO GOMES
Major PM    FERNANDO ANTONIO DE MELLO BARTASEVICIUS
Major PM    WALTER CASTRO GARCIA
Capitão PM JOSÉ LUIZ GONÇALVES
Capitão PM HÉLIO PATRÍCIO JÚNIOR
Capitão PM IGOR FABIAN TANAKA
1º Tenente PM VICTOR ADOLFO CARVALHO E SILVA
1º Tenente PM FABIANO DE SOUZA PEREIRA
1º Tenente PM RONALDO CEZAR POSSATO VENANCIO
1º Tenente PM NATANAEL SOARES DOS SANTOS
2º Tenente Medico PM RODRIGO GUILHERME VAROTTI PEREIRA
1º Sargento PM ANTONIO CARLOS DE SOUZA
2º Sargento PM ALEXANDRE JOSÉ DE ARAUJO
Cabo PM ROSALIN DIAS PRIMO
Soldado PM TIAGO SOARES DE FREITAS
Soldado PM LEANDRO FERREIRA DE OLIVEIRA
Soldado PM FABIO ANTONIO DE LIMA
1º Tenente FAB JÓI JOSÉ DA SILVA TEIXEIRA
1º Sargento FAB MARCELO PADILHA DOS SANTOS
1º Sargento FAB ALEXANDRE CESAR DOS SANTOS SOUZA
Suboficial ADRIANO DA SILVA
Delegado de Polícia    JOAQUIM DIAS ALVES
Doutor LUIZ GUSTAVO CURY CARDOSO
Doutor MARIANO TAGLIANETTI
Doutor CARLOS ALBERTO MACIEL ROMAGNOLI
Doutor ALEXANDRE RUDGE CASTILHO
Doutor CARLOS ROBERTO VENÂNCIO
Doutora JANAINA EXPOSITO PINTO
Senhor LUIZ FERNANDO VALENTE DE SOUZA MARCONDES
Senhor ERIC LUCIAN APOLINÁRIO
Senhor ALFREDO DUARTE DOS SANTOS
Senhor AMADO RUBIO








segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

EXPEDIÇÃO - TRINCHEIRA T-03

Ocorreu no últimodomingo, 02 de dezembro de 2012, mais uma expedição às trincheiras do Setor Leste, nas proximidades de Eleutério. Nesta expedição, contamos com a presença de dois entusiastas, Braz e Adenilson, da cidade de Santa Cruz das Palmeiras - SP.
O dia começou lindo, com um sol forte, que nos possibilitou uma subida tranquila até a trincheira T-03. Por motivos óbvios, infelizmente não podemos divulgar a localização exata destes sitios arquelógicos, pois além de estarem extremamente preservados, ainda não possuem total assessibilidade, e não podem correr o risco de serem visitados por saqueadores.
Hoje, o Núcleo Cel. Francisco Vieira, tem mapeadas e visitadas o total de 10 trincheiras, locais onde se instalaram postos de controle, telefonia, quartel general, acampamentos, além de diversos prédios em toda a cidade e região de Itapira que comprovadamente foram utilizados durante o movimento armado.
Durante toda a manhã, permanecemos na T-03, onde, primeiramente, após limpeza e empreitadas na mata, localizamos uma extensão desta trincheira, que conta com mais de 20 metros de comprimento, com um provável ponto de metralhadora. A trincheira, que fica no alto de uma colina íngreme, tem um alcance de 360º, ou seja, de lá, os soldados poderiam atiram tanto para o território paulista, quanto para o território mineiro. 
A T-03 fica muito próxima da T-01, uma trincheira muito bem projetada por engenheiros paulistas, poucos metros abaixo. O alto desta colina é um lugar moderadamente plano, que possibilitava aos soldados paulistas uma grande mobilidade, podendo combater na trincheira, ou então, recuar poucos metros para descanso, cuidados com os feridos, ou comunicação com o Q.G. ou o P.C. Por esse local, também havia uma ligação direta com uma estrada que leva rapidamente até o distrito de Eleutério, facilitando assim os caminhões e carros que transportavam comida, munição e todo o material necessário.
Em breve, quando postarmos aqui as descrições de cada uma das trincheiras mapeadas, nossos leitores poderão ter maior noção de toda a estruturação destes locais.
Entre os materiais encontrados, temos dezenas de capsulas deflagradas, pentes-carregadores. Mas as maiores descobertas deste dia, foram duas munições 7x57mm de fuzil Mauser intactas. Uma de ponta arredondada e outra de ponta fina. Além disso, encontramos também uma alavanca de granada, muito provavelmente, da famosa "granada paulista", produzida pela Politécnica e pelas fundições da capital paulista. Um material rico em história. As duas munições intactas, foram devidamente desarmadas, tendo sua pólvora retirada. Em um teste seguro, os pesquisadores confirmaram que a pólvora ascendeu, mesmo após mais de 80 anos de sua fabricação e 8 décadas abaixo da terra, recebendo todas as forças da natureza.
O Núcleo Cel. Francisco Vieira agradece aos amigos Braz e Adenilson pela companhia.