terça-feira, 27 de dezembro de 2011

MEGA PROJEÇÃO NO OBELISCO


Aproveitando esse último acontecimento de 2011, em nome da diretoria do Núcleo Cel. Francisco Vieira gostaria de desejar a todos os nosso leitores, amigos e parceiros, um ótimo Ano Novo! Que todos os seus planos, projetos, metas e sonhos se realizem! Que tenhamos força e energia para encarar de frente as provas e possíveis obstáculos que venhamos a encontrar nesta aventura chamada Vida! Muita saúde, paz, felicidade e positividade a todos!

Feliz Ano Novo!!!

Eric Lucian Apolinário
Pesquisador/Presidente
Núcleo de Correspondência Cel. Francisco Vieira
Sociedade Veteranos de 1932/MMDC
"Por São Paulo e Pelo Brasil!"
Itapira-SP

sábado, 24 de dezembro de 2011

UM FELIZ NATAL A TODOS!



   O Núcleo Cel. Francisco Vieira, em nome de seu Presidente-Fundador e demais membros, deseja a todos os nossos fiéis leitores e também aos novos leitores e amigos, um Natal mais do que especial! Com muito amor, carinho, felicidade, saúde! Também, um Ano Novo cheio de esperanças, repleto de alegrias, sonhos concretizados, trabalhos cumpridos e, porque não, "muito dinheiro no bolso, saúde pra dar e vender..."!
   E que venha 2012 e as comemorações dos 80 anos do Movimento Constitucionalista! Nosso trabalho está apenas começando! Obrigado a todos!

Eric Lucian Apolinário
Pesquisador/Presidente
Núcleo de Correspondência Cel. Francisco Vieira
Sociedade Veteranos de 1932/MMDC
"Por São Paulo e Pelo Brasil!"
Itapira-SP

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

MORRE FERNÃO SALLES


A MARCHA DAS OPERAÇÕES - SITUAÇÃO EM MINAS – COMBATE EM OURO FINO – O QUE HÁ NAS FRONTEIRAS MONTANHESAS

   “... O COMBATE EM OURO FINO: Há alguns dias atrás, as tropas constitucionalistas que operam na zona mineira entraram na cidade de Ouro Fino, onde foram entusiasticamente recebidas pela população. Entre essas tropas achava-se o heroico Batalhão Fernão Dias, aqui organizado pelo Dr. Fernão Salles e que tinha como comandante o capitão Pietscher.
   As tropas constitucionalistas, de posse da cidade, resolveram avançar até Pouso Alegre, uma das mais importantes cidades do sul de Minas, sede de um regimento de Exército.
   As tropas ditatoriais, porém, que se haviam retirado, cortaram as linhas da estrada de ferro e destruíram os pontilhões, a fim de evitar o avanço das forças paulistas. Estas, por sua vez, fazendo reconhecimento do terreno e repondo os trilhos foram avançando, até que, à tarde, nas proximidades de Borda da Mata, rompeu violenta fuzilaria do adversário. O Batalhão Fernão Dias tomado de indescritível entusiasmo reagiu energicamente, realizando-se o combate que durou a noite toda. Pela manhã, quando o fogo inimigo declinou, o Batalhão avançou com firmeza, levando o adversário a mais de três quilômetros adiante. Foi numa investida, quando se levantava para avançar, que o Sr. Fernão Salles, ferido na testa, caiu morto.

JORNAL FOLHA DA MANHÃ – SÁBADO, 23 DE JULHO DE 1932.




   "... A única nota triste do dia foi a perda em um encontro travado nas vizinhanças de Pouso Alegre, do bravo comandante do batalhão "Fernão Dias", o conhecido e estimado cavalheiro desta capital Sr. Fernão Salles. Grande animador dos homens que dirigia, oficial de uma rara intrepidez aquele distinto moço caiu à frente das suas tropas, vitimado por uma bala.
   A sua morte, que foi instantânea produziu profundo pezar, não só entre os seus companheiros de armas, como no governo do Estado e na sociedade paulista. Em homenagem ao chefe sacrificado, o batalhão "Fernão Dias" passou a denominar-se "Batalhão Fernão Salles".
   A perda do seu comandante entristeceu dolorosamente a tropa mas não lhe abateu o ardor guerreiro..."

JORNAL FOLHA DA NOITE

MAIS INFORMAÇÕES EM BREVE...

PARTICIPE! COMENTE! DIVULGUE!

Eric Lucian Apolinário
Pesquisador - Presidente
(19) 98102-7351
Núcleo MMDC de Itapira "Cel. Francisco Vieira'

SE VOCÊ, DE ITAPIRA, MOGI MIRIM, MOGI GUAÇÚ, AMPARO, OU DA REGIÃO DA BAIXA MOGIANA E CIRCUITO DAS ÁGUAS, QUE TEVE UM AVÔ, BISAVÔ, PAI, OU ALGUM PARENTE OU CONHECIDO QUE LUTOU NA GUERRA PAULISTA, FAVOR ENTRAR EM CONTATO CONOSCO, SUAS INFORMAÇÕES SÃO DE EXTREMA IMPORTÂNCIA.




terça-feira, 20 de dezembro de 2011

ÀS FAMÍLIAS... PRESERVAR A SUA MEMÓRIA

   A função do Núcleo Cel. Francisco Vieira, braço da Sociedade Veteranos de 1932 – MMDC é: preservar a historia da Revolução Constitucionalista de 1932 em Itapira e Região.
   Preservar a História dos acontecimentos do inverno de 1932 no Setor Leste, é preservar a historia da própria Itapira. A Revolução passou por aqui, um dos principais campos de batalha, Dezenas de Batalhões, Paulistas e Federalistas, passaram por aqui, venceram, perderam, sobreviveram e morreram.
   Muitos de nós, Itapirenses, temos pais, avós ou parentes que lutaram em 1932, escrevendo assim, mais um capítulo na nossa História. Homens se voluntariaram como combatentes, mulheres costuraram uniformes, trabalharam em fábricas e serviram a São Paulo como enfermeiras. Alguns fotógrafos, que mantinham estúdios por toda a região mantiveram o ideal da guerra se recusando a fotografar tropas federais, inimigas na ocasião. Outros, porém, obrigados a fazê-lo, muitas vezes com a arma apontada em sua cabeça, também preservaram a História, nos deixando imagens preciosas daqueles  tempos. 
   Soldados chegaram a Itapira para lutar contra os paulistas e daqui nunca mais saíram. Chegaram, lutaram e ficaram. Construíram suas casas, famílias e vidas aqui.
   Preservar a história destas famílias é ser Itapirense. Ser Itapirense é zelar pela história de sua família.
Esta é a função do Núcleo Cel. Francisco Vieira, pesquisar, catalogar, zelar e preservar a Memória de muitas famílias Itapirenses ou não, que aqui passaram e combateram.
   Meu avô, Sr. Elbe Marquezini, que viveu a vida toda no Bairro dos Limas, próximo aos Prados, me contava sempre sobre as Batalhas. Ele mesmo não combateu, mas produzia como agricultor, o alimento para os Bravos Paulistas. E nos Limas, que não foi uma das passagens da guerra, mas sentiu e viu de perto a Revolução. Ao final da tarde, contava meu avô, que se viam pequenos pontos luminosos, indo e vindo pelos céus. Eram as balas de fuzil trocados pelos combatentes.
   Minha avó. Dona Elidia Cima, tem suas raízes no Bairro do Machadinho e Tanquinho. Ela não se lembra de muitas coisas da Revolução. Mas se cansou de achar no meio da terra, depois da Guerra, balas, pedaços de fardas, capacetes e até armas inteiras. Com a família também de agricultores, toda a vez que seu pai, Sr. Jacomo Cima, revirava a terra preparando-a para o plantio, vinha à tona uma série de artefatos. Minha mãe, Maria Goreti Marquezini, conta que quando era em um destes preparos da terra de seu avô, apareceu um capacete com um furo de bala. Pobre combatente que o usava na ocasião em que o furo foi feito. E os restos deste combatente devem estar ainda perdidos na terra, ou já ter se deteriorado completamente. Infelizmente nunca saberemos a quem ele pertencia, para dar uma medalha de bravura ao bravo que morreu pelo seu ideal.
   Minha família sempre foi uma família de agricultores modestos, e na época não entendiam a importância de tais artefatos e eles se perderam no tempo, foram dados a pessoas que tinham algum interesse ou simplesmente jogados fora.
   Espero que, estas histórias de minha família sirvam como base e incentivo para nossos leitores, e que assim, conheçam e reconheçam a importância do Núcleo Cel. Francisco Vieira.
    Já não podemos saber quem foi combatente dono daquele capacete encontrado por minha mãe em sua mocidade, seus ideais, seus sonhos, suas virtudes, sua história... Não devemos deixar que isso se perca com o tempo... Não precisamos deixar essas histórias para depois... Devemos fazê-lo agora! Vamos preservar!       Vamos levantar o nome desses bravos voluntários! Levantar o nome do Turismo Itapirense! E reconhecer por toda a eternidade, a geração de 1932, que lutou e fez a democracia e a história acontecer.
   Escrevendo hoje, preservaremos a História, não só de Itapira, mas da sua Família!!!
   Junte-se a nós! Conheça! Comente! Divulgue!

Itapira – SP, 20 de Dezembro de 2011.

João Paulo Marquezini Machado
Membro-Fundador
Núcleo MMDC de Itapira "Cel. Francisco Vieira'





segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

POUSO ALEGRE - A Primeira Grande Batalha




     “... Um dos soldados incorporados ao Batalhão 23 de Maio, contou à reportagem de O Diário de São Paulo que: “O candelário e o relógio perdem a razão de ser, pois, na febre belicosa na linha de fogo, tira aos soldados o conhecimento de tempo; que recebia a ordem de avançar, partiu o batalhão, levando cada soldado a certeza do sucesso e da vitória; que de Socorro seguiram sem novidade até a cidade de Monte Sião, já no Estado de Minas Gerais, onde foram recebidos festivamente pelos civis, partindo em seguida para Ouro Fino, ali também recebidos com calorosos aplausos. Depois, Borda da Mata, onde este batalhão se reuniu ao Batalhão Paes Leme, tendo assumido o comando de toda a tropa o Capitão Pietscher, designado nosso comandante Capitão Castro de Oliveira, para comandar a vanguarda formada pelo 2º de Maio e por um reforço do Batalhão Paes Leme, sob as ordens do "malofrado" Tenente Fernão Salles!.”
JORNAL O DIÁRIO DE SÃO PAULO


    “Dispostas às ordens gerais pelos chefes e oficiais, a vanguarda partiu de Borda da Mata, na direção do objetivo, Pouso Alegre, levando nossos soldados, os voluntários e nossa oficialidade, ânimo forte, vibrantes, e tão bem dispostos como se fossem para uma parada militar! Os nossos testes da vanguarda, atingiram a divisa do município atacado, na primeira hora da tarde; então as patrulhas avançadas inimigas, romperam o primeiro fogo, o fogo do sinal, e recuaram para as suas posições de defesa”.
JORNAL O DIÁRIO DE SÃO PAULO

   “Nossas tropas foram dispostas em linhas de atiradores; nossos fuzis e metralhadoras despejaram a carga; o inimigo parecia recuar sempre, mas a artilharia de Pouso Alegre, não cessava de descarregar sua verdadeira chuva de granadas sobre a nossa valente rapaziada; o ribombar ecoava pelas montanhas que circundavam o nosso campo de operações... Avançamos! Atingimos a crista da montanha que nos separa das posições inimigas, por um vale imenso, a 3 ou 4Km da nossa cidade.”
   “Caiu a Tarde. E os nossos agüentavam a saraivada ininterrupta das balas de fuzilaria... Pipocar contínuo das metralhadoras cobertas... Reboar dos Canhões... Música bárbara de extermínio...” 
JORNAL O DIÁRIO DE SÃO PAULO

Fotografia Rara da Inauguração do Campo de Aviação de Pouso Alegre pelo Exército Federalista
Em destaque, o Major Eduardo Gomes, o Prefeito de Pouso Alegre Dr. João Beraldo, Capitão Jaire Lima e o Primeiro Tenente Moraes e Barros.

Inauguração do Campo de Aviação de Pouso Alegre pelo Exército Federalista. Entre outros, os Azes Federalistas: Major Eduardo Gomes e o 1º Tenente Júlio Américo dos Santos.


Inauguração do Campo de Aviação de Pouso Alegre pelo Exército Federalista.
O Major Eduardo Gomes verificando o aparelho Potez-A-114




MAIS INFORMAÇÕES EM BREVE...

Núcleo de Correspondência Cel. Francisco Vieira
Sociedade Veteranos de 1932/MMDC
"Por São Paulo e Pelo Brasil!"
Itapira-SP

SE VOCÊ, DE ITAPIRA, MOGI MIRIM, MOGI GUAÇÚ, AMPARO, OU DA REGIÃO DA BAIXA MOGIANA E CIRCUITO DAS ÁGUAS, QUE TEVE UM AVÔ, BISAVÔ, PAI, OU ALGUM PARENTE OU CONHECIDO QUE LUTOU NA GUERRA PAULISTA, FAVOR ENTRAR EM CONTATO CONOSCO, SUAS INFORMAÇÕES SÃO DE EXTREMA IMPORTÂNCIA.




sábado, 17 de dezembro de 2011

LINHA DE TIRO - E.I.M. - 282 - ITAPIRA

   Esta rara fotografia, tirada no ano de 1931, durante uma confraternização no Parque Municipal de Itapira, mostra-nos reservistas Itapirenses e Mogianos da Linha de Tiro da Escola de Instrução Militar -E.I.M. - 282. Infelizmente, poucos puderam ser identificados.


   Segundo o grande historiador Itapirense Jácomo Mandato, na primeira fila, o 3º é José Serra, depois o Padre, é Lázaro Sampaio de Matos, Professor José da Cunha Raposo é o 7º, a mulher é filha do Dr. Henrique Cintra Warne, depois dele, nosso Patrono é o 10º, Francisco Vieira (nesta data, ainda não havia sido nomeado Coronel), ao seu lado Jácomo Nabor Secchi, presidente da diretoria da E.I.M. - 282, e o último soldado é Paulo Guerra. Na segunda fila, o 1º soldado é Júlio Rosário. Na terceira fila, o 3º soldado é Hortêncio Avancini.
   Continuando pelo ano de 31, mais precisamente a 14 de Outubro de 1931, na churrascada da E.I.M. - 282.


   Não faltaram as autoridades municipais: o Pe. Lázaro Sampaio de Matos, nosso patrono Francisco Vieira (Prefeito de Itapira em 1931), Jácomo Secchi, José Serra. O terceiro homem em pé, da esquerda para a direita, é o soldado Júlio Rosário.

BIBLIOGRAFIA:
MANDATO, Jácomo - História Ilustrada de Itapira Volumes II e III.

Núcleo de Correspondência Cel. Francisco Vieira
Sociedade Veteranos de 1932/MMDC
"Por São Paulo e Pelo Brasil!"
Itapira-SP

SE VOCÊ, DE ITAPIRA, MOGI MIRIM, MOGI GUAÇÚ, AMPARO, OU DA REGIÃO DA BAIXA MOGIANA E CIRCUITO DAS ÁGUAS, QUE TEVE UM AVÔ, BISAVÔ, PAI, OU ALGUM PARENTE OU CONHECIDO QUE LUTOU NA GUERRA PAULISTA, FAVOR ENTRAR EM CONTATO CONOSCO, SUAS INFORMAÇÕES SÃO DE EXTREMA IMPORTÂNCIA.



sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

1º REUNIÃO - NÚCLEO ITAPIRA

Sexta-Feira, 16 de Dezembro de 2011

   Na noite desta Sexta, 16 de Dezembro, estiveram reunidos, pela primeira vez, os fundadores do Núcleo Cel. Francisco Vieira, na cidade de Itapira-SP, Eric Lucian Apolinário - Empresário/Historiador, Carlos Henrique Marquezini Machado - Policial Militar do Estado de São Paulo e João Paulo Marquezini Machado - Servidor Público do Governo do Estado de São Paulo (respectivamente nas fotos abaixo).
  Neste encontro, foram decididas as primeiras atividades e metas deste Núcleo de Correspondência da Sociedade Veteranos de 1932, inclusive, com o apoio "online" do Sr. Cel. Mário Ventura.
   Já temos uma data definida para nosso evento público, ainda falta definir o local e horário.
  Iniciaremos ainda nesta semana, uma maior divulgação de nossos trabalhos através da Rádio Clube de Itapira e dos jornais locais. 
   Algumas pessoas já se cadastraram em nosso Núcleo.
   Em breve, maiores informações sobre nosso primeiro evento público!

Presidente - Fundador

Vide Presidente - Fundador

1º Secretário - Fundador



Núcleo de Correspondência Cel. Francisco Vieira
Sociedade Veteranos de 1932/MMDC
"Por São Paulo e Pelo Brasil!"
Itapira-SP

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

MOVIMENTO CONSTITUCIONALISTA - 80 ANOS


Núcleo de Correspondência Cel. Francisco Vieira
Sociedade Veteranos de 1932/MMDC
"Por São Paulo e Pelo Brasil!"
Itapira-SP

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

QUEM É FRANCISCO VIEIRA

    O “Diário do Povo”, de Campinas, publicou ontem uma interessante reportagem, ouvindo uma conversa de militares na “gare” daquela cidade, no momento do embarque de tropas para o “front”. Um oficial moço, de maneiras distintas, exclama:
   Não será do nosso lado que a corda arrebentará. Temos chefes valentes, como o capitão Potiguara, Chico Vieira, tenente Isidoro e outros. Quem é Chico Vieira?
   Chico Vieira é o homem que está em toda parte. Fazendeiro e gerente do Banco Comercial, em Itapira, certo dia lá foi ele com um aviador. Faz reconhecimentos, atira bombas, volta. No outro dia, sai um piquete de cavalaria em reconhecimentos. Chico Vieira segue com eles! Agora é a infantaria que avança. Lá está o Chico Vieira! Os soldados não o conhecem por Chico Vieira. Chamam-no “O Homem de Aço”.
   Chico Vieira recusou ser comissionado no posto de coronel. Comanda, mas o seu poder de comando reside na confiança que lhe depositam todos os combatentes e no prestígio de que goza entre eles. É apenas um soldado raso que está em toda parte.
JORNAL FOLHA DA NOITE - Terça-Feira, 06 de Setembro de 1932 - Nº3582.



   Francisco Vieira nasceu em Itapira no dia 18 de Setembro de 1881.
   Filho de Joaquim Francisco de Assis Vieira e Alexandrina Augusta da Silva Vieira, Católicos. Estudou no Colégio São Luiz na cidade de Itu até 1897 e depois, no Ginásio Paulista, na cidade de São Paulo até 1899. Ingressou na Escola de Farmácia e Odontologia, onde se formou em Farmácia no ano de 1903, com muitos méritos escolares. Em 1904 casou-se com Isaura da Silva Vieira, nascida a 15 de Outubro de 1876, filha de Bento Manuel Pereira Da Silva e Anna Vieira Da Rocha. Tiveram os filhos: Maria Aparecida, Francisco Vieira Filho, Isaura, Ivete, Ivonnete, Ivone e llze. 
   Em São Paulo, foi Superintendente da Cia Armazéns Gerais e da Cooperativa Central de Laticínios, ambas do Estado de São Paulo.
   Em 1909, Itapira conheceu o automóvel. Três primeiros automóveis rodaram pelas ruas da cidade e, um deles era de propriedade dos Srs. Dr. Norberto da Fonseca e Cel. Francisco Vieira. 
   "...O ano de 1909 assinalou aquilo fantástico, inacreditável. A vinda para a pequenina Itapira do primeiro automóvel, a máquina diabólica de marca francesa, 4 cilindros, com força de 28 cavalos, propriedade dos Srs. farmacêutico Francisco Vieira e do médico Dr. Norberto da Fonseca. Isso ocorreu no mês de junho e o desembarque na estação da Mogiana chamou a atenção da população em peso, já que todo mundo foi ver o tal do “chaufeur”, arrancar a máquina barulhenta de dentro do vagão. E teve gente que não acreditou naquilo que cheirava feitiçaria. Como podia aquilo rodar pelas ruas sem o auxilio de uma parelha de vigorosos animais? Como o padre Bento teve coragem de jogar água benta naquilo que tinha parte com o diabo?..." 
JORNAL CIDADE DE ITAPIRA - 1973.



  Regressando à Itapira, montou uma Farmácia. Além desta empresa, participou e/ou criou outras: serraria, fábrica de gelo, de mosaicos, tecidos de algodão e da fábrica de parafusos de fenda em São Paulo. Construiu também vários prédios em Itapira, em 1928 possuía 13 casas. Foi sócio da firma Pereira& Irmãos (Fazenda São Joaquim) e era dono da Fazenda São Francisco, que produzia algodão, café e ainda contava com um rebanho de gado leiteiro.
   Na política, logo em 1910, foi eleito vereador e indicado com Intendente. Foi presidente da edilidade até 1930. Foi membro do diretório do PRP - Partido Republicano Paulista de 1916 a 1930 e posteriormente diretor do Partido Constitucionalista. Foi eleito deputado para a Câmara Estadual em 14 de outubro de 1934.
   Durante o mandato como Intendente, soube dotar a cidade de importantes melhoras: numerosas associações particulares tiveram seu concurso vantajoso, dando-lhes prestígio e desenvolvimento. Em 1917 fundou o Tiro de Guerra e, no mesmo ano, a instalação da Cruz Vermelha, presidida por sua esposa. Em 1918, com o surto da gripe espanhola, ele por ser farmacêutico, foi incansável no atendimento da população. Em 1924 presidiu a Escola Comercial. Ainda em 1924, a instalação do Banco Comercial do Estado de São Paulo, sendo ele o gerente até 1934. 
   Participou ativamente das revoluções de 1924, 1930 e 1932. O titulo de Coronel que detinha, visto que ele não era membro do Exército Brasileiro, era uma patente devido a sua ligação com a Guarda Nacional. Explico: Após o grito do Ipiranga em 1822, por cautela, foi fundada, oito anos depois, por decreto, a Guarda Nacional. Contava com civis e a finalidade era de servir e honrar a Constituição, a liberdade, a integridade do povo e auxiliar o exército na defesa do solo pátrio por mar e terra. Então, os títulos de coronel, tenente, capitão, major, eram dados aos chefes políticos das várias cidades brasileiras. Foi o caso de Francisco Vieira, conhecido como “Coronel Chico Vieira”. 
   No futebol, foi admirador e incentivador ardoroso. 
   “...Era presidente do Sport, o mais poderoso esquadrão futebolístico de Itapira. Para reforçar o seu “11”, que era a sua maior vaidade, trouxe para o time um jogador de fora, verdadeiro demônio da pelota e de nome Carabina. Daí aquela piada na boca do povo: - no ano de 1923 entrou em Itapira a Carabina de efeito arrasador, por ordem do Coronel Chico Vieira, o manda-chuva da cidade, mas que, embora bom atirador, não feriu e nem matou ninguém.” (Odete Coppos ) 
   Em 28 de maio de 1951, através da Lei n. 92, o Estádio Municipal passa a se chamar “Coronel Chico Vieira”, pela assinatura do então prefeito em exercício Marcelo Avancini.
   Francisco Vieira faleceu em São Paulo, no dia 05 de Maio de 1946. No ano seguinte ao de sua morte, no dia 13 de Agosto, foi inaugurado um busto na parte de baixo da Praça Bernardino de Campos.
   

BIBLIOGRAFIA:
Museu Histórico e Pedagógico Virgolino de Oliveira 
História Ilustrada de Itapira - Jacomo Mandatto
Álbum de Itapira - João Netto Caldeira
Guia Visual e Sentimental de Itapira - Lívia Monteiro Barbosa
O Livro de Itapira - Odete Coppos
Coluna No Tempo da Vovozinha - (João Torrecillas Filho-Professor Adib Chaib) - Jornal Cidade de Itapira, 1973
Livro de Atas da Câmara Municipal de Itapira, 02/07/1906 à 16/06/1911.

Núcleo de Correspondência Cel. Francisco Vieira
Sociedade Veteranos de 1932/MMDC
Por São Paulo e Pelo Brasil!
Itapira-SP



segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

NOSSO BRASÃO! NOSSA MISSÃO!

   Por São Paulo E Pelo Brasil! - É a frase que se estampa em nosso Brasão, relembrando um dos motivos que levaram nossos antepassados revolucionários a pegar as armas e lutar por um novo Brasil, mais democrático! É também agora, nosso lema, para nos lembrar que Por São Paulo e Pelo Brasil, a História deve ser pesquisada, preservada e divulgada em sua verdade plena para que as novas gerações conheçam e se inspirem, para criar o novo Brasil de amanhã.


   Empenhados em perpetuar a história de nossos bravos soldados Itapirenses na epopéia paulista, iniciamos nosso trabalho de correspondência para com a Sociedade Veteranos de 1932 / MMDC.
Assim, iremos preparar para o próximo ano, alguns eventos localizados entre as cidades de Itapira e Mogi Mirim, relembrando os Voluntários desta região, não apenas no 9 de Julho, mas em outras datas importantes também!
   Em breve, com a finalização de nosso Estatuto, iniciaremos o cadastro das famílias dos Voluntários e Soldados do Tiro de Guerra Itapirense em 1932, assim também, como o cadastro de nossos aliados nesta batalha para a preservação e divulgação de nossa História!


Núcleo de Correspondência Cel. Francisco Vieira
Por São Paulo e Pelo Brasil!!!
nucleommdcitapira@gmail.com

domingo, 11 de dezembro de 2011

MMDC ITAPIRA - Núcleo de Correspondência

Saudações a todos e todas interessados na História do Brasil, e principalmente de nosso querido Estado de São Paulo!
Influenciados pelo belíssimo trabalho desempenhado pela Sociedade Veteranos de 1932, que a muitos anos ampara familiares de voluntários da Revolução Constitucionalista de 1932 e depois de uma troca de e-mails com o Cel. Ventura, Presidente da Sociedade Veteranos de 1932, com o Prof. Jefferson e o Afrânio, dos Núcleos de Correspondência de Itapetininga e Piracicaba, resolvemos criar este Núcleo Itapirense, primeiro desta região. Nosso objetivo é cadastrar as famílias de voluntários paulistas que lutaram na Revolução de 1932, que lutaram contra a ditadura, na esperança de um Brasil e um São Paulo mais democrático a exatos 79 anos.
Nos próximos posts, iremos postar mais notícias e informações úteis, de como participar desta entidade e ajudar na organização e divulgação do Núcleo MMDC Itapirense, é claro que o apoio de nossos vizinhos de Mogi Mirim, Mogi Guaçú, Jacutinga e outras cidades da região será muito bem vindo!

Muito Obrigado!